Futurecom faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

shutterstock_1026108619.jpg

O que é preciso saber sobre Sustentabilidade na Tecnologia?

Quais as principais ações para promover a sustentabilidade na tecnologia, equilibrando a cadeia produtiva, diminuindo a poluição e ajudando as empresas? Veja!

Ser sustentável nunca saiu de moda. Desde os anos 1990, quando o termo se popularizou e tomou de arrasto os ambientes corporativos, nada nunca mais foi o mesmo. Porém, houve de fato mudança? Nos últimos anos, a humanidade atingiu o padrão ouro na escala de aquecimento global. Isso acende um alerta, especialmente diante de um cenário onde novas tecnologias, alimentadas pelo boom da transformação digital, tomam conta do dia a dia das pessoas e empresas. Afinal, na realidade atual, como aplicar a sustentabilidade na tecnologia?

Para as empresas, entender como utilizar corretamente seus recursos é a garantia de que impactos ambientais serão minimizados — gerando grande economia. Aqui, muito além de substituir o papel comum por reciclado, fala-se de arquitetura sustentável e a gestão proativa dos equipamentos, estendendo ao máximo sua vida útil e seu ciclo de uso. No entanto, todo esquema logístico (da origem ao descarte) ainda preocupa — por isso, o tema é urgente. Portanto, como lidar com a sustentabilidade na tecnologia e, principalmente, por onde começar a agir?

O descarte no mercado tecnológico: um vilão da sustentabilidade na tecnologia

Um dos principais problemas que a evolução tecnológica trouxe ao estilo de consumo de hoje é a obsolescência. A necessidade de inflar os números fez com que as empresas deixassem o ciclo de vida de seus produtos cada vez menor.

Soma-se a isso ao método de fabricação, que privilegia o descarte em detrimento da reutilização, e chegamos em um cenário um tanto assustador.

Para ilustrar: apenas em 2016, segundo o relatório The Global Waste Monitor, especializado em lixo eletrônico em escala global, descobriu-se que foram produzidas 44,7 milhões de toneladas métricas. Isso é o equivalente a 4.600 torres Eiffel.

E apenas cerca de 20% disso tudo passou por algum processo de reciclagem.

Por isso, o modo com que as empresas e os consumidores lidam com seus produtos deve mudar. Esse é o primeiro, e provavelmente mais importante, passo na luta pela sustentabilidade na tecnologia.

Como as empresas devem se preparar para isso?

O problema do tema é que muitas empresas não identificam os ganhos a curto prazo da sustentabilidade na tecnologia. No entanto, esse é um assunto importante tanto para o presente, como para o futuro.

As ações sustentáveis de uma empresa representam uma mudança de mindset que acompanha o seu público, cada vez mais antenado e exigente. É uma oportunidade de ser vista com bons olhos — e preferida justamente por isso.

Em números, o impacto positivo pode vir de várias formas. As cidades inteligentes são potencializadoras da economia de energia e recursos, com soluções como a gestão inteligente da iluminação pública.

Segundo Egberto Franco, professor dos cursos de Administração da Produção e Operações e Gestão da Cadeia de Suprimentos da Estácio, adequar-se é uma questão de sobrevivência corporativa.

“As empresas que almejam perdurar no mercado devem estar atentas aos modelos de desenvolvimento sustentável que objetiva a manutenção dos negócios no longo prazo, respeitando o meio ambiente e agindo com responsabilidade social. Um novo ambiente econômico se impõe às empresas, ambiente no qual a empresa busca expandir e criar valor para seus produtos e serviços enfrentando instabilidade, escassez e elevação de custos” afirma Franco.

Ainda segundo o acadêmico, uma solução viável seria a adoção de soluções como a Economia Circular.

“[...] A partir deste novo cenário, o conceito de Economia Circular pode emergir. Ela procura desenvolver um ciclo produtivo contínuo que preserva e otimiza o capital natural, a produção de recursos e minimiza os riscos sistêmicos utilizando fluxos renováveis a partir de estoques finitos” explica Franco.

Por sua vez, Eliel Rosa, fundador do Instituto Brasileiro de Sustentabilidade, concorda que o reaproveitamento pode ser um caminho viável.

“O mercado, cada vez mais, tende a incluir a variável da sustentabilidade. Assim, adotar processos de coleta de produtos não mais utilizados é uma forma responsável de produção e, em muitos casos, de economia, fazendo-se o reaproveitamento de componentes e ainda da matéria-prima que pode ser reciclada.” afirma Rosa.

Logística reversa: uma solução para transformar toda cadeia produtiva

Que a produção de tecnologia gera lixo em enormes quantidades, não há dúvidas. Enquanto os mesmos recursos e processos produtivos forem utilizados, o resultado será o mesmo. Mas e quanto ao sistema de logística de todo esse volume: será que caberiam mudanças?

A logística reversa é uma solução apontada para a busca da sustentabilidade na tecnologia. Ou seja, não há descarte após o uso pelo consumidor (ou mesmo da fábrica).

Tudo seria reutilizável, atravessando um processo que faria as matérias-primas retornarem à empresa ou mesmo alimentarem o processo produtivo de outras, mesmo que periféricas ao mercado da empresa original.

“Um sistema de coleta das peças para que as mesmas possam ser reutilizadas seria de imensa valia. O conceito denominado de 3R parte do pressuposto que, desde a concepção inicial do produto, seu desenvolvimento deve propiciar a Redução, Reutilização ou Reciclagem do mesmo de suas matérias primas. Assim, diminuindo o impacto ambiental dos processos produtivos” afirma Franco.

O fundador do Instituto Brasileiro de Sustentabilidade ainda destaca a possibilidade de aproveitar de soluções tecnológicas para que esse sistema seja colocado em prática.

“Existem alternativas no mercado, inclusive alguns aplicativos que auxiliam as empresas no recebimento de peças e produtos. A empresa pode ainda destinar tais itens para outras empresas no mercado que tenham interesse na matéria-prima ou nos componentes, dando assim uma destinação correta.” conclui.

Com isso, é possível criar um mercado paralelo, que desenvolve o crescimento sustentável das empresas e ainda promove a ampla utilização dos materiais. Para alcançar a sustentabilidade na tecnologia, esse deve ser o caminho.

Afinal, a sustentabilidade na tecnologia é uma prática que começa nas empresas, passa pelos consumidores e retorna às empresas, criando um ciclo de reutilização e reciclagem que beneficia a todas as camadas!

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro de Futurecom lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo revistas digitais, webinars, whitepapers e muito mais.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar