Futurecom faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

5G ganha protagonismo no primeiro dia do Futurecom Digital Week

FuturecomDW dia1.jpg
Painéis apontam para a evolução e geração de valor que o 5G trará para a economia e o papel no aumento da competitividade, além dos desafios na implantação do sistema.

O 5G já é realidade durante a segunda edição do Futurecom Digital Week, que começou nesta segunda-feira e vai até 11 de novembro. Com uma extensa grade de conteúdos ricos, a quinta geração tem ganhado protagonismo. O Painel Premium “Retomada da economia e digitalização dos negócios através de soluções de 5G de impacto” trouxe para o debate temas como: a colaboração como ponto-chave no sucesso atual e futuro da evolução do 5G; a evolução e geração de valor que o 5G trará para a economia; o papel do 5G no aumento da competitividade e os desafios na implantação do 5G. Sob moderação de Ari Lopes, senior manager Research, Americas Markets da OMDIA, o painel reuniu Leonardo Capdeville, CTIO da TIM; André Souza Ferreira, CIO South America da Stellantis; Sandro Tavares, diretor de Telecom Systems Marketing da Dell; Carlos Roseiro, diretor de Soluções Integradas da Huawei e Moisés Medeiros, diretor Senior Sales Communication da Oracle.

Todos foram unânimes em dizer que o 5G vai permitir entrar em um mundo novo de oportunidades e poder explorar outras linhas de negócios. “No agronegócio, por exemplo, já há uma eficiência mais apurada com a conectividade do 4G e com o desenvolvimento do 5G será ainda mais competitivo. Será possível ir além do monitoramento máquina a máquina e começar a operar remotamente com o 5G, implantando funções antes não permitidas”, afirmou Leonardo Capdeville, da TIM. 

No setor automotivo, a quinta geração também é fundamental para ter a inovação na linha de frente. Aqui, Capdeville destacou a experiência em curso da operadora em parceria com o Grupo automotivo Stellantis, com modelos de veículos com  a tecnologia embarcada. A evolução será a de estar mais próximo da demanda do cliente oferecendo maior conectividade”. Com o 5G, teremos uma transformação social produtiva e conectividade em três pilares: redes, dispositivos móveis e aplicações. E com flexibilidade para conectar esse ecossistema”, pontuou Capdeville. 

André Souza Ferreira, CIO da Stellantis, também reforçou em sua participação que o 5G levará mais conectividade para os carros conectados da montadora. “Teremos maior confiabilidade e disponibilidade para implantar toda essa infraestrutura. O desafio das operadoras é gigante. O 5G traz todo o arcabouço de novos serviços”.

Segundo Moisés Medeiros, da Oracle, o leilão do 5G vai permitir às empresas investir mais para alavancar negócios tanto para dispositivos, inteligência, banda larga para rodar aplicações. “Será possível tangibilizar a quinta geração, que é um mundo infinito de possibilidades, com benefícios para a economia ao acelerar a capitalização”.

Focar em soluções, a partir de um movimento de aprendizados e avaliar os casos de uso em que o 5G faça sentido. Essa é a opinião do executivo da Huawei, Carlos Roseiro. A companhia chinesa já identificou mais de 100 exemplos estudados, com lógica na escala e redução de custos. “Portos, manufatura e mineração são áreas em o 5G pode ser aplicado com bons resultados”, destacou Roseiro.

“Brasil ganha protagonismo com a adoção do 5G. Essa necessidade vai além do consumo de tecnologia. É extremamente importante para o desenvolvimento industrial nacional, com vantagens para gerar conhecimento”, enfatizou Sandro Tavares, da Dell. “É uma estrutura mais aberta, com padrões abertos, com estratégias para desenvolvimento em nuvem. Será um campo para empresas criarem aplicações das mais variadas e geração de aumento de produtividade. Há grandes oportunidades para as áreas de saúde, educação, manufaturas e em outras verticais. O Brasil tem uma indústria de softwares muito potente, com vocação para a inovação”, destacou Tavares. 

5G e transformação digital

Organizada pelo European Standards Telecommunications Institute, o ESTI, a plenária “A contribuição do 5G avançado para a transformação digital” discutiu a utilização da tecnologia em verticais como manufatura avançada, agricultura 4.0, saúde, cidades inteligentes e sustentáveis. Na sessão promovida em parceria com a Delegação da União Europeia no Brasil, Carlos Oliveira, conselheiro para Sociedade da Informação e Mercado Digital na Delegação da EU no Brasil, recebeu Ignacio Ybáñez, embaixador da União Europeia no País, que comentou sobre a proximidade histórica entre os dois continentes quando se discute telecomunicações e digitalização. 

O embaixador ressaltou o lançamento do primeiro cabo submarino de banda larga envolvendo União Europeia e Brasil. De acordo com Ignacio, o 5G terá um grande poder de alavancar a economia, combinando transformação digital com transição ecológica. “A União Europeia vai trabalhar para aprofundar a colaboração com o Brasil”, finaliza. 

Ainda não se inscreveu no Futurecom Digital Week? Garanta seu a acesso à plataforma e conteúdos on-demand gratuitamente aqui!

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar