Futurecom faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

shutterstock_609540095

Ganho técnico de infraestrutura coloca ISP à frente da concorrência

No Brasil, uma ISP (Internet Service Provider) pode ser conhecida por sua presença de rede, capilaridade e posicionamento de marca. A parte técnica de sua infraestrutura, contudo, ainda merece atenção para aumentar a qualidade da rede e colocar a empresa um passo à frente da concorrência.

Se no passado apenas grandes empresas de telecomunicações e provedores de internet com milhares de clientes tinham condições de custear uma infraestrutura de fibra de máxima qualidade, como as redes GPON (Gigabit Optical Passive Networks) “carrier class”, agora a realidade é outra.

Não por menos, esse mercado já avançava a passos largos. Para se ter uma ideia, ISPs de pequeno porte concentradas em regiões do interior conquistaram cerca de 72% dos contratos de banda larga apenas em 2018.

Todo esse potencial chamou a atenção da Raisecom, empresa chinesa representada em nosso país que promete contribuir para alavancar o ganho técnico dos provedores regionais. O primeiro passo é facilitar o acesso a uma solução GPON “carrier class”, além de outros recursos que aprimoram o nível de entrega de dados.

Como uma ISP pequena pode transformar seu negócio?

O intenso movimento de mercado para adotar as redes de fibra passou de sua fase inicial, em que o objetivo era apenas atender à demanda de banda larga (FTTx). Agora, ISPs pequenas enxergam que as necessidades evoluíram. Sobreviver diante da concorrência, hoje em dia, significa ter as condições de entregar performance conforme o SLA acordado.

Além disso, é preciso ter uma variada classificação de serviços que possibilite sua atuação em mais que uma frente de mercado. Proporcionar tudo isso à cartela de clientes significa adotar as redes GPON “carrier class”.

De olho nesse mercado, a Raisecom uniu-se à OIW Telecom Solutions para comercializar produtos da sua linha GPON para os provedores que necessitam entregar serviços “triple play” (TV, telefone e internet) em regiões com baixa demanda e número de clientes.

Além disso, a Raisecom oferece uma linha de switches e equipamentos DWDM para ISPs de médio porte que visem reestruturar sua infraestrutura e agregar valor ao seu serviço. Outro produto oferecido é o NVIEW, uma plataforma de gerenciamento de redes que facilita a gestão da infraestrutura e não tem custo de integração.

Com tudo isso, qualquer ISP terá acesso a uma tecnologia de infraestrutura antes exclusiva dos grandes players de mercado. Assim, provedores de todos os tamanhos vão melhorar consideravelmente seu nível de entrega.

Resultado do ganho técnico de infraestrutura

Como resultado, esses ISPs poderão entrar na corrida de concorrência em nichos mais específicos, como transações multiprocessadas (que exigem maior confluência de banda), soluções IoT, recursos para Smart Cities e vários outros.

E toda essa transformação pode ser feita aos poucos, na velocidade que a saúde financeira da empresa permitir, sem precisar trocar toda a infraestrutura de uma vez. Isso porque é possível financiar os equipamentos e soluções da Raisecom por meio da OIW.

O potencial dessa novidade para qualquer ISP é gigante. Uma forma de atualizar suas infraestruturas de fibras com o que há de melhor em tecnologia de rede, oferecendo serviços variados que agregarão valor ao portfólio da empresa e possuem alto potencial de retenção de clientes.

Para o futuro, a popularização de redes GPON pode transformar o setor e melhorar a entrega de conexão para todo território brasileiro.

O que achou das vantagens que ISPs podem ter com ganhos técnicos em sua rede? Deixe sua opinião nos comentários!

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar