Futurecom faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

5G.jpg

Densificação de redes e seu papel para o bom funcionamento do 5G

Qual é o caminho para o 5G? Além de alta tecnologia, é preciso apostar na densificação de redes, uma potencializadora da nova rede.

Enquanto países como Estados Unidos e Coreia do Sul começam a testar algumas ativações, no Brasil o 5G dá seus primeiros passos. No entanto, quando se discute a criação de redes, é preciso entender como elas funcionarão de fato. Afinal, como entregar tamanha performance em conexão? É aí que entra a densificação de redes.

Se você está familiarizado com o assunto, sabe o potencial do cenário e das promessas do 5G. Seu nível de entrega é sem igual: internet de até 20 gigabytes por segundo. No papel, é algo incrível, assim como na prática. Mas a capacitação técnica para uma conexão desse tipo não é nada fácil.

Veja bem: o 4G é capaz de entregar 1 gigabyte por segundo como velocidade máxima de conexão. Para tanto, precisa de, aproximadamente, uma célula de rede móvel a cada 2 km.

Já para o 5G, considerando ainda as ondas milimétricas, essa necessidade reduz 1,5 km, com uma célula de fibra óptica a cada 500 m. Ou seja: cobrir uma região metropolitana inteira vai exigir milhões de km² de cabos.

Se considerarmos as tendências tecnológicas e digitais, como a perspectiva de ter nas ruas cerca de 125 milhões de carros conectados até 2022, fica clara a necessidade de redes mais rápidas, otimizadas e integradas.

É justamente visando isso que se aposta tanto na densificação de redes. Mas afinal, qual é o papel desse conceito no bom funcionamento da futura rede 5G no Brasil e no mundo? É o que discutiremos no artigo de hoje.

O que é a densificação de redes?

Para o 5G funcionar, será preciso muita fibra óptica, pois é essencial ter uma rede capaz de promover a baixa latência necessária.

De acordo com Rafael da Silva Santos, coordenador acadêmico do curso de Redes de Computadores da Faculdade de Informática e Administração Paulista (FIAP), a densificação de redes é o próximo passo na jornada rumo ao estabelecimento do 5G.

Explica o professor: “A densificação nada mais é do que o aumento do volume de utilização de tecnologias e componentes de redes, como o uso e a necessidade de fibra óptica nos dias atuais.” 

Para o sucesso do 5G, é preciso de uma rede realmente densa. Esse parâmetro pode ser alcançado com a adição de mais células de rede, desde redes de acesso por rádio até instalações wireless, em pequenas ou grandes células.

Também precisa haver um aumento do número de antenas e uma aderência às tecnologias Multiple Input/Multiple Output (MIMO). Assim, é possível aumentar consideravelmente a capacidade de tráfego disponível.

Por que a densificação de redes é um tema tão em voga?

No mundo inteiro, já se fala de densificação como uma etapa natural do processo de adequação e modernização de redes — especialmente as fixas, por conta da necessidade da fibra óptica.

No Brasil, segundo o professor Santos, tem a ver com a aprovação da consulta pública para a implementação do 5G no Brasil, realizada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) no começo de 2020.

 “Porém, com o atraso do leilão devido à Covid-19, creio que demorará um pouco para entrar em vigor. Estimo que as operadoras iniciem as suas instalações somente no primeiro semestre de 2022”, analisa Santos.

A relação entre a densificação de redes e o sucesso do 5G

As redes atuais deverão ser capazes de entregar velocidades até 10 vezes maiores para cumprir com as exigências do 5G e as demandas da população, que certamente crescerão. Para o professor Santos, a densificação também trará outras mudanças:

“A densificação não é só importante, mas necessária para o aumento de banda, sua capacidade de dados e a eficiência espectral do 5G. Isso trará um conjunto de novas oportunidades que as operadoras terão para atingir a demanda em áreas de grande densidade urbana.”

Por isso, é preciso que as operadoras comecem o processo de densificação de redes quanto antes. Adequar-se não é apenas um movimento estratégico, mas uma forma de se preparar para um mercado ainda mais competitivo.

O possível impacto da densificação de redes

A densificação de redes vai pavimentar o caminho para a chegada do 5G, o que, por si só, já representa um impacto geracional, tanto na esfera social quanto na tecnológica e corporativa.

De acordo com o professor Santos, esse movimento tem o potencial de mudar a forma como pessoas e empresas interagem:

“A partir do 5G, teremos um aumento do uso de tecnologias de automação conectando as redes com casas e tornando as cidades inteligentes. Teremos também um aumento do número de dispositivos e, consequentemente, um aumento de velocidade. Na prática, por exemplo, um filme que hoje você demora de 2 a 5 minutos para baixar no seu 4G levará somente de 2 a 3 segundos para baixar no 5G. Isso, com certeza, proporcionará o surgimento de novos serviços e negócios.

E na sua empresa, como a densificação de redes é discutida? Que tal compartilhar este artigo em seu LinkedIn e estimular um debate sobre o assunto com os seus colegas? Siga as redes sociais da Futurecom para ver mais conteúdos sobre conectividade.

E se você quiser se inteirar ainda mais sobre o tema, participe do Futurecom Digital Summit, evento totalmente virtual e gratuito que será realizado de 22 de junho a 2 de julho. Ao todo, o Summit oferecerá 25 horas de conteúdo exclusivo com direito a certificado de participação. E o melhor: totalmente grátis. Veja palestras relacionadas ao tema que ocorrerão no evento:

30 DE JUNHO - TERÇA-FEIRA

14h20 - 15h40

Painel: OpenRAN: Acelerando o Desenvolvimento da Rede 5G através da sua Arquitetura Aberta, Fragmentada e Flexível
- Diversos fornecedores de rede (e de aplicações)
- Novos serviços e modelos de negócios
- Importância da inteligência incorporada em todos os níveis da rede 
- Capilaridade da rede de acesso - benéfica para Telco Cloud/Edge?


Moderador: Ari Lopes, Analista Principal Latam, Omdia

Painelistas:
Atila Branco,  Network Planning Director, VIVO
Vitor Menezes, Secretário de Telecomunicações, MCTIC

15:40 - 16:00

Palestra: Conectando milhões de Pessoas a Serviços de Banda Larga - a Experiência do Peru no uso de OpenRAN

Moderador: Ari Lopes, Analista Principal Latam, Omdia

Palestrante:
José Aguilar, Director General de Políticas y Regulación en Comunicaciones, Ministerio de Transportes y Comunicaciones, Peru

 

18:00 - 18:20

Palestra: Redes Privadas no Cenário 5G
Leonardo Euler de Morais, Presidente, Anatel 

18:20 - 19:30

Painel: Conectividade AlwaysON: O Crescimento de Redes Corporativas Privadas com a chegada do 5G 

- Rede privada x rede pública
- Gestão do espectro / uso eficiente das frequências
- Novos players de rede: implementação e operação das redes
- Redes LTE privadas X redes privadas 5G


Moderador: Ari Lopes, Analista Principal Latam, Omdia

Painelistas:

Gianna Sagazio, Diretora de Inovação, CNI
Mario Azevedo, Head de Produtos IIoT & Conectividade Industrial, Vale
Heron Fontana, Superintendente de Smart Grid, Neoenergia 

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar